Conecte-se a nós

CRÍTICA | “X-Men: Fênix Negra” peca no enredo, mas dá final degustável aos fãs da franquia

Foto: Divulgação/ Fox Film

CRÍTICA

CRÍTICA | “X-Men: Fênix Negra” peca no enredo, mas dá final degustável aos fãs da franquia

Chega aos cinemas nesta quinta(06), o último capítulo da franquia X-Men (iniciado em X-men Primeira classe).

Trazem das cinzas a “Fênix Negra” que já tinha sido apresentada em outro filme dos mutantes em uma cronologia diferente (X-men: O confronto final – 2006). O diretor (Simon Kinberg) afirma que o filme de 2006 não contou uma versão autentica da entidade cósmica conhecida como Fênix e que agora sente uma pressão para acertar. O diretor, que também é o roteirista do longa, deixou claro que não há muitos elementos dos HQ’s, mas alguns coisas estão sim presentes no filme.

Protagonismo

O filme todo é baseado na personagem Jean Gray (Sophie Turner) que durante uma missão espacial acaba por absorver uma entidade cósmica. Ao retornar para casa, Jean não apresenta inicialmente diferenças, além de se sentir melhor do que nunca mas logo começa a ficar instável. A entidade a torna mais forte chegando a ser possivelmente o ser mais poderoso do universo MCU. Esse novo poder quase incontrolável faz com que Jean se sinta confusa e incontrolável causando alguns acidentes e eventos que dita a narrativa do filme, aliás repito todo o filme é sobre ela.

Traje clássico

Na missão espacial vemos que os x-men utilizam o uniforme clássico o que causa uma certa nostalgia aos fãs, muitos criticam pois não é esse uniforme que Jean usa na série Fênix dos quadrinhos, felizmente falamos de uma adaptação que já foi tinha sido afirmada que não será totalmente fiel aos quadrinhos e que acredito estar aceitável.

Mocinho ou Vilão?

Durante os eventos do filme vemos que a família mutante está abalada o que ocasiona uma parceria improvável em nome do amor. O professor X (James McAvoy) nesse filme é apresentado como um possível vilão que se preocupa mais com o seu ego do que com a segurança de seus alunos. Em resumo, você verá uma troca de lados dos personagens durante o filme, por mais previsível que seja, causa um reação positiva e que agrada os fãs.

O mesmo erro do confronto final?

Boa parte das críticas negativas do filme de 2006 vem da morte de Scott Summers no começo do filme. Pois bem,  Diferente da forma apresentada em “O Confronto Final”, a morte de um dos personagens principais, causa drama e comoção, sendo o ponto chave para os eventos do filme. Como fã também não gosto da ideia que um dos personagens mais queridos morre, mas analisando o roteiro e os eventos entendo perfeitamente o que o diretor quis passar. Com a morte de uma das personagens mais carismáticas a equipe se divide e com eles os fãs (e a crítica é claro, boa parte dos meus colegas discordam de mim já que foge totalmente dos quadrinhos, já eu acho a proposta validada para essa adaptação).

Quem são eles e que espécie é aquela?

Fãs podem ficar profundamente chateados com a história por traz da principal vilã do filme, a personagem interpretada por Jessica Chastain não existe nas HQ’s, durante o filme nem o seu nome é citado, nem o dela e nem de seus ajudantes, a apresentação deles é bem vaga e nada esclarecedora. Para um filme do porte da franquia que é x-men acredito que deveriam ter se esforçado um pouco mais para a elaboração dos antagonistas, mas galera, são personagens inventados só para o fechamento da trama, esse ao meu ver é um ponto fraco no roteiro, mas que por ser o encerramento, poderia ter um pouco mais de brilho.

Efeitos especiais

Algo que me encantou bastante no filme foram os efeitos especiais. Para representar a manifestação da fênix na Jean vemos rajadas de energia passando como se fossem veias pulsando principalmente em seu rosto. Seus olhos, quanto estão tomados pela fênix negra, ficam escarlates como se estivem em chamas o que contrasta e muito com os lindos olhos claros da Sophie. Diversas outras cenas, que não comento por medo de passar spoiler e estragar a sua experiência em assistir ao filme, são incrivelmente lindas e bem feitas o que justifica as refilmagens e atrasos.

É o fim! Ainda bem.

Levando em conta que esse é o enceramento da saga dos x-men fox, já que os estúdios foram comprados pela Disney e que de agora em diante a Marvel irá assumir a franquia, acredito que: a Fox deu início ao universo Marvel, talvez você seja novo e não lembre ou talvez nem saiba que quando o estúdio comprou os direitos para fazer o primeiro filme dos filhos do átomo, lançado em 2000, ninguém acreditava que daria certo fazer um longa descente de super-heróis, ainda mais X-men que somente os fãs dos quadrinhos conheceriam.

O Filme deu foi bem aceito o que abriu as portas para o universo Marvel. Agradeço a Fox por ter dado o ponta pé inicial e se arriscado, reconheço que nessas duas décadas tiveram grandes obstáculos na construção de seus filmes mas vocês não baixaram a cabeça; tiveram a humildade de recomeçar a franquia; ousaram e apostaram nos seus criadores e o resultado é o legado deixado aos fãs.

Fênix negra é o fechamento perfeito para a saga, por ser uma história amada por fãs e a Fox fez uma boa adaptação, acredito que poderia ser melhor em alguns pontos, principalmente enredo, mas ainda assim é um filme que com toda certeza indico aos fãs e torço para que agora com Disney eles possam fazer um trabalho ainda mais incrível.

Nota do crítico:

Mais sobre CRÍTICA

PUBLICIDADE

TRENDING

POP Mais no #Twitter

Topo